terça-feira, 21 de março de 2017

A poesia resultante da leitura e do contexto

Se eu gosto de poesia?
Gosto de gente, bichos, plantas, lugares, chocolate, vinho, papos amenos, amizade, amor. Acho que a poesia está contida nisso tudo.

(Carlos Drummond de Andrade em 'Procura da poesia')

 
Seguindo o pensamento de Carlos Drummond de Andrade, que a poesia está contida em tudo que gostamos e utilizando o meu contexto, eu diria que, como gosto bibliotecas e de arquivos, a poesia está nas páginas de um livro ou de um documento, ela está presente ao saber que por ali, muitas mãos e pensamentos já repousaram, que, ao fazer a leitura de seus conteúdos, muitos leitores já choraram ou se alegraram, já perdoaram ou crucificaram, que muitos pesquisadores já tomaram a decisão certa ou se equivocaram tragicamente, que desvendaram mistérios ou se perderam nas dúvidas...
 
A poesia, nesse caso, não estaria nos escritos em si, mas em tudo que permeia estes ou que resulta destes. As páginas com seus escritos são lugares de infinitas possibilidades, em que tudo pode acontecer, dependendo da leitura e do contexto
 
 

quarta-feira, 15 de março de 2017

Consumidor de informação, quem não é?

Em um mundo encharcado de informação, onde a cada dia o limite de absorção é extrapolado em função do volume e da diversidade, quem não é consumidor de informação?
 
Creio que todos nós no dia a dia recebemos, processamos e consumimos uma avalanche de informações, ocorre que quando ela não é bem tratada, ou seja, indexada nos sistemas de busca na internet ou por intermédio de softwares específicos de instituições, acabam por não serem encontradas ou se tornando lixo informacional, pois não chegam ao consumidor certo.

É importante ressaltar que o consumidor de informação deveria ser do tipo mais ortodoxo possível, exigindo dos meios a informação certa na hora certa. E, por sua vez, quem é produtor de informação deveria estar atentando para isso, para os direitos do consumidor de informação, ser o mais imparcial possível, considerando que uma informação pode ser relevante para uns e o contrário para outros, oferecendo opções e ferramentas de acesso.


Não estou me referindo aos estudos de usuários promovidos com excelência pelos centros de informação e documentação, pois dessa forma, estaremos com certeza, ou pelo menos muito próximo do conceito científico de satisfação informacional do usuário. Também nem tão pouco quando a informação é tratada com vistas ao atendimento de projetos específicos, à inteligência de mercado, ao processo just-in-time ou ao uso da logística, tratando de cumprir a máxima “informação certa na hora certa para a pessoa certa”. Meu direcionamento é ao cidadão comum, que, no ciberespaço, tudo ouve, tudo lê e que tudo quer saber, para ficar bem informado sobre o que se passa ao redor dele.

Antes do fenômeno Web tal qual temos no contexto de hoje, a atribuição de definir palavras-chave, descritores e unitermos era exclusiva do bibliotecário durante o processamento técnico das publicações ou do pesquisador científico, que, auxiliado por aquele, definia as palavras-chave de sua produção. Hoje os criadores de sites institucionais, portais, blogs, fanpages e de outras mídias, enfim, todos nós, criamos e reproduzimos tags e hashtags ao nosso bel-prazer e as jogamos na rede. E aí o caos está formado!

Neste caso, nem tudo está perdido! A leitura que faço é graças aos buscadores e às combinações booleanas podemos separar o joio do trigo, não confundindo alhos com bugalhos, chegando à informação desejada. Mas, aí eu pergunto: Quem é que sabe usá-los corretamente?


 

terça-feira, 14 de março de 2017

Café com Letras

Atenta às apresentações do Café com Letras, evento do Guia de Palestrantes, algo que surgiu em momento oportuno, que caiu como uma luva, que juntou lé com cré, uma tríade perfeita! 

Rose Lira, Carmem Lima e Sobral Gráfica e Editora, são construção, revisão e edição!

Contexto de reflexão para um futuro que me espera. Essa foi a leitura que fiz do evento.








segunda-feira, 13 de março de 2017

Mais um mimo para a coleção!

Dia do Bibliotecário foi no domingo (12), mas na segunda-feira (13) teve homenagem, sim, na Mrh.

Bibliotecária! A caneca de bibliotecária, para euzinha, Ana Luiza, e a caneca de bibliotecário, para o colega de profissão, Roberto de Carvalho.

Muitos cafés, leites, chás, sucos e outra bebidas quentes, frias e geladas serão apreciadas nessa caneca, que, com certeza, trará momentos de prazer gustativo e de reflexão, propícios para o contexto de geração de novas ideias.

 



domingo, 12 de março de 2017

Bibliotecária e seus mimos

Neste Dia do Bibliotecário resolvi reunir alguns dos meus mimos para mostrar meu bem querer pela profissão. São objetos que trazem na lembrança momentos peculiares de dedicação e amor à Biblioteconomia.

mini estante com mini clássicos

 Caixa livro

 um presente de minha filha Mariana, uma mini biblioteca, que ela mesma confeccionou

marcadores de livro em couro

e uma panorâmica de outros tantos, no meu cantinho de ócio criativo: 
ao fundo, porta retrato; placa bibliotecária e lâmpada de Aladin



sexta-feira, 10 de março de 2017

Desculpe-me, Belchior, minha pedra é ametista, mas minha cor é lilás!


Minha pedra é ametista, minha cor, o lilás!
Sou bibliotecária, envolvida e comprometida por demais. Vivo de informação, indexação e muito mais, por isso sempre busco e corro atrás.

Minha pedra é ametista, minha cor, o lilás!

Sou bibliotecária encantada com tudo que faz. Tenho que ler um pouco de tudo, para entender o que traz, faço leitura técnica rápida e voraz.

Minha pedra é ametista, minha cor, o lilás!

Sou bibliotecária realizada e feliz, pois trabalho em paz. Trabalho em biblioteca ou arquivo, tanto faz! Sou toda ouvidos e vivaz.




Flores lilás do meu jardim, em março/2017: frésia, tumbérgia e agapanto.

 

Bibliotecária de biblioteca e Bibliotecária de arquivo


Notas
A pedra da graduação de Biblioteconomia é ametista e a cor é lilás.
O texto faz referência à Bijouterias, de João Bosco, imortalizada na voz e interpretação de Belchior.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Casa cheia!

A divulgação da Biblioteca da Faculdade CDL para os alunos novatos do período 2017.1 rendeu muitos resultados positivos, esclarecendo, tirando dúvidas e, sobretudo, oficializou e sedimentou os tradicionais clichês "a que viemos" e o "estamos de portas abertas".

Muitos deles que não tiveram ainda a oportunidade de ter uma biblioteca à disposição para convivência e estudos, passaram a conhecer melhor o equipamento e seus produtos e serviços.

Foi um momento ímpar para valorização e marketing da biblioteca, que deixou a Casa cheia!.

Parabéns à Coordenação da Faculdade CDL que proporcionou esse momento!.


quarta-feira, 8 de março de 2017

Prendas do lar, quem já ouviu falar?

Prendas do lar, quem já ouviu falar?

Se você é nascido posteriormente ao último quartil do século XX, provavelmente não sabe do que se trata. Segundo o Aulete Digital, prendas do lar é:

1. Trabalho daqueles cuja atividade, não remunerada, é cuidar do lar, como as mães, esposas, etc.

Qual mulher dessa época e de tempos atrás não aprendia por obrigação as tais prendas do lar? Bordar, costurar, tricotar, cozinhar, passar, arrumar, dentre outras, eram as tarefas unicamente dedicadas ao sexo feminino, que deviam ser ensinadas pela mãe, tendo em vista o seu único futuro, o casamento. 

Nessa raridade de livro, "A Mulher e o lar", da Editora Globo (1949), encontramos algumas técnicas e dicas de trabalhos manuais para a dona de casa das primeiras décadas do Século XX.





Frivolitė, tricot, filet, crochet, dentre outras, são ensinadas passo a passo nos fascículos editados periodicamente.


Hoje temos tudo isso no ciberespaço, no Pinterest, em blogs específicos e até em fanpages, uma facilidade enorme, comparada à forma nostálgica de adquirir, de acessar e de colecionar de outros tempos.

E hoje temos também a mulher em outro contexto frente ao casamento e ao seu posicionamento na sociedade, atuando em diversas atividades, conforme o seu desejo. É óbvio que ainda há aquelas que se dedicam a essas atividades, mas, é óbvio também, que ao fazê-lo é por desejo próprio, por prazer, por opção, ou em função de uma atividade profissional. Para aquelas que não gostam, não têm aptidão ou tempo para se dedicarem a tais atividades, há agências que oferecem profissionais especializados nesse mister.

Vivam os novos tempos de atuação da mulher!

A publicação é originária da biblioteca de Anna Maria Lucena de Oliveira Cavalcanti, minha Tia Nanita.

domingo, 5 de março de 2017

Não importa a cor, todas, um amor!

"São as águas de março fechando o verão [...]", trazendo essas maravilhas para enfeitar o meu Jardim no Dia Internacional da Mulher (8) e no Dia do Bibliotecário (12), tudo com as bênçãos do nosso querido São José (19), que mais adiante comemoraremos.

A flor lilás, a Biblioteconomia traz!


 
 


A flor rosa, é a mais amorosa!





A amarela, uma luz na aquarela!





Muita paz, é o que o branco traz! 





E a vermelha é o sangue e o sabor do labor!





sábado, 4 de março de 2017

Expectativa para iniciar ciclo de coaching

Apresentação do Ciclo de Coaching a ser promovido pela Mrh. Aguardando ansiosa o que vem por aí...



  

Mrh investindo no desenvolvimento de seus líderes. Contexto de crescimento profissional.