sexta-feira, 16 de junho de 2017

Livros!!! Oportunidade!

Feira do Livro da Top Livros acontecendo no Shopping Via Sul. Fui lá e conferi. Oportunidade para comprar livros a R$ 10,00, livros de toda sorte!


 

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Atualidade e posteridade

Uma vida, uma sentença,
Uma conta, um extrato,
Uma história extensa apensa,
Um contrato firmado no ato,
Documentação de arquivo é intensa,
Cheia de fato, relato e retrato.

Memória do que foi vivido,
Do que foi registrado e documentado,
Memória daquilo que foi esquecido,
Do não lembrado, ignorado,
Arquivo corrente, intermediário e permanente,
Garantia para o que sai da mente.

Documento, prova de tudo que aconteceu,
Resultado de funções e atividades,
O que vendeu, comprou ou rendeu,
Ações, operações de muitas entidades,
Tudo escrito, lavrado e registrado,
Oportunidades, realidades e verdades.


Preservar os registros para a posteridade,
É dever e missão do arquivo,
Seja ele de empresa, de estado ou cidade,
Ativo, semi-ativo ou inativo
Não importa a forma ou a idade,
Nem valor histórico, legal ou administrativo.
AnaLu


segunda-feira, 5 de junho de 2017

O DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE E O BIBLIOTECÁRIO



Hoje, Dia Mundial do Meio Ambiente, queremos destacar a necessidade de todos nós, habitantes desse planeta Terra, movermos alguma ação em defesa do nosso planeta.

Essas ações podem ser mínimas à primeira vista, mas juntas somam e se multiplicam. É aquela ideia já tão familiar e batida de fazermos a nossa parte. Perguntamos, então, você está fazendo a sua parte?

Você está economizando água na sua casa? Você está selecionando o seu lixo para reciclagem?Seu carro está regulado de forma a não poluir o ar que respiramos? Você descarta de forma responsável os resíduos poluentes? Você orienta seus filhos para a educação ambiental? 

Entrando agora no campo da Biblioteconomia, de uma forma bem pontual, você, enquanto bibliotecário, está trabalhando corretamente a questão do descarte de publicações? Essas publicações têm de fato um destino correto?

E agora, considerando a preservação do meio ambiente uma questão que vai além do aspecto natural e social, que é um problema multi e interdisciplinar, o bibliotecário educador, principalmente aquele que atua em biblioteca escolar e pública, pode interferir positivamente com ações e projetos direcionados, que contribuam para a formação do cidadão consciente da necessidade do respeito ao meio ambiente. 

Nesse sentido, o bibliotecário pode lançar mão do recurso estratégico da informação utilitária, defendida por Luiz Milanesi, ou seja, a “forma de atender aos interesses locais”, que, para torná-lo mais amplo, acrescentamos a estes, os interesses atuais. Da mesma forma, esse profissional tem ferramentas e “poderes” de atuar junto à comunidade, para implementar projetos de envergadura social, bastando, para tanto, envolver o entorno e fazer parcerias com instituições ligadas à causa.

A preservação da nossa Mãe Terra é fundamental para as próximas gerações. Portanto, é papel do bibliotecário, enquanto mediador e disseminador da informação, ser agente de transformação cultural, tanto porque isso faz parte do seu quotidiano profissional, como pelo fato de estar inserido em um equipamento cultural, de força milenar, a Biblioteca.

Vamos agir!

#otextoénosso
Publicado originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

sábado, 3 de junho de 2017

De novo, A Recertificação!

Não é sempre que uma empresa é contemplada com a recertificação pela ISO 9001:2008, mas a Mrh já recebeu duas vezes, desde 2010, quando foi certificada pela primeira vez.

Empresa séria, comprometida, que consegue envolver todos em um mesmo objetivo: Qualidade!

O próximo passo é o up grade para a ISO 9001:2015.

Registro da equipe nota 10 reunida no encerramento da auditoria externa 2017.






sábado, 27 de maio de 2017

Mediando e disseminando a informação: normalização para o projeto de pesquisa

Hora de mediar a informação, desta vez, as normas da ABNT, facilitar a compreensão para os iniciantes no projeto de pesquisa.

Para abrir e contextualizar a apresentação, foi dado enfoque para a tríade da pesquisa: conhecimento, metodologia e normalização.


Turma grande, mas 100% atenta, do início ao fim, simplesmente, gratificante!




terça-feira, 16 de maio de 2017

5 anos de LAI

Hoje está fazendo 5 anos da promulgação da Lei de Acesso à Informação, LAI, como é conhecida.


A Lei 12.527/2011 regulamenta o direito ao acesso à informação, ratificando o art. 5º da Constituição Federal Brasileira, que determina que todos possuem o direito de receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, coletivo ou geral, disseminando, dessa forma, a cultura de transparência no país.


Falar de acesso à informação, perpassa, necessariamente, pelos arquivos, pois, com políticas de guarda, conservação e de gestão de documentação é que se garante a defesa de interesses, públicos e privados.

Sabemos que com o advento da lei muito já se avançou, mas ainda há muito terreno a desbravar, dos mais de 5.000 municípios brasileiros, apenas cerca de 2.000 vêm cumprindo a lei, segundo levantamento efetuado agora para as comemorações dos 5 anos. É um número que está ainda ainda longe de atingir o nível de transparência esperado. Mas. sabemos também, que cabe à sociedade exigir e cobrar das instituições a situação ideal.

Quando falamos em gestão, estamos evocando os "Planos de Classificação de Documentos e as Tabelas de Temporalidade Documental", instrumentos imprescindíveis dos arquivos, em que é identificada as atividades e seus respectivos documentos, e fixados todos os prazos aplicáveis, cuja elaboração é incumbência da Comissão de Avaliação de Documentos.

domingo, 14 de maio de 2017

Um coração triplo de amor: Dia das Mães!

O coração de chocolate já saboreei, preenchi agora com lindas flores, são três cores, para representar meus três amores.



sábado, 6 de maio de 2017

Vestindo a Bienal

A frase mais certa para quem exerce seu ofício em uma biblioteca, "Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca!", motivo da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará, que, ao meu ver, tem indícios/resquícios nas/das Leis de Ranganathan, já comentada aqui antes.

Resolvi vestir hoje, momento bem oportuno e contextualizado, quando fui à sala de aula, para convidar os alunos da pós-graduação, que estão ingressando na trajetória da monografia, a visitarem a Biblioteca.

Quem fez a leitura, entendeu o contexto! Recado dado!
,

segunda-feira, 1 de maio de 2017

1º Maio, ninguém é de ferro!

Neste contexto de Dia do Trabalho, ninguém é de ferro!

Só contemplando o meu jardim...


Uma flor aqui outra ali! 

 
Um pássaro lá outro cá!

 

Essa é a minha leitura de hoje.

BIBLIOTECÁRIO, HÁ VAGAS!


Há vagas, muitas vagas!

Não estamos, necessariamente, nos referindo àquelas vagas de um emprego formal, na esfera pública e/ou privada, apesar de também existir muitas delas, mas àquela que nasce naturalmente, porque você se identificou com algo prazeroso, que gosta de fazer e que tem expertise para tanto.

Bibliotecário, você busca a vaga!

Pensando e mergulhando na amplidão de nossa profissão, um leque se abre, afinal lidamos com informação e quem não precisa dela? Podemos entregar pacotes e pacotes dela, tornando-a acessível nas mais diferentes esferas e tipos de mercado, principalmente, atualmente, no mundo digital, essa oportunidade é cada vez mais exponencial.

Bibliotecário, você cria a vaga!

Neste Dia do Trabalho queremos chamar a atenção para aquele trabalho prazeroso, aquele que você executa sem sentir o tempo passar. Nesse contexto você mistura trabalho, estudo e lazer, conforme pensamento de Domenico De Masi, que acreditamos e reforçamos. O trabalho como fardo é muito trabalhoso, cansativo, rendoso, fuja dele! Trabalhar não precisa ser tudo isso para você dizer que tem um trabalho.

Bibliotecário, já pensou em empreender? 

Sim! Na nossa área é possível, sim! Temos a faca e o queijo na mão, afinal, lidamos com informação e quem não precisa dela? Repetimos para fixar essa ideia e quem sabe, plantar uma semente, abrir horizontes, fazer enxergar além das paredes, sair do lugar!

Depois de ler esse texto, talvez você possa refletir a respeito e concluir que há vagas, muitas vagas! O mercado pede algo diferente, com valor agregado, precisamos ter sensibilidade para captar essas necessidades e chegar à frente. 

Desejamos que neste Dia do Trabalho você faça essa reflexão, se você está bem no seu trabalho, que bom, que benção! Mas, se você não está satisfeito e quer mudar essa situação, é oportuno refletir sobre o que falta no dia a dia das pessoas, sobre o que vai facilitar a vida das pessoas, para descobrir como o bibliotecário pode suprir essa falta e preencher essa lacuna, daí podemos dizer:

Bibliotecário, a vaga é sua!

---
por Ana Luiza Chaves.
#otextoénosso #diadotrabalho

Publicado, originalmente em Mural Interativo do Bibliotecário

domingo, 23 de abril de 2017

Deixe o livro livre!


Deixe o livro livre!
Livre de preconceitos, 
Livre de todos os jeitos.

Livre-se da ignorância!
Ela, que tanto te acorrenta, 
É uma grande tormenta.

Pegue o livro e leia!
Leitura que é abertura,
Combate tristeza e amargura.

Passe adiante esse livro!
É uma bela corrente,
Sábia, profunda e beneficente.

AnaLu

23 de Abril, Dia Mundial do Livro. 


sábado, 22 de abril de 2017

Passeando na Bienal

Depois de comprar livros, só curtir!



 

Descobrimento da leitura

Há 517 anos comemoramos o Descobrimento do Brasil. Que tal hoje comemorarmos o descobrimento da leitura? 



Leitura literal de palavras, de frases, de pequenas histórias, de livros inteiros e/ou de quaisquer outros meios e recursos que proporcionem esse ato, para de fato se chegar à reflexão, à crítica, à capacidade de transformar pelo conhecimento.

Fazer a leitura vai além da leitura em si, é um momento de apropriação, de deleite, de viagem, de entender o mundo, as pessoas e as coisas que nos cercam.

Cada leitura é única, porque é carregada de contexto, o contexto da coisa que lemos, agregado ao contexto do leitor, suas vivências, suas emoções e interpretações.

Quem não lê, não pode usufruir desse poder de transformação, é alguém bitolado, entre amarras, que, dificilmente consegue obter o entendimento das coisas.

A ordem é todo mundo lendo, para viver e compreender tudo que está ao redor, tudo que pode influenciar, que pode incomodar, que pode agradar.

Ler é navegar, é viajar! 

Leitura é vida!

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Diálogos empresariais para a posteridade

Agora é livro! O evento promovido pela CDL de Fortaleza, Faculdade CDL e CDL Jovem foi transformado em instrumento informacional para a posteridade. Nada se compara ao registro para ser lido e manuseado a qualquer hora, concentrando e compartilhando conhecimento e práticas de empresários.


A obra se junta a outras renomadas, fazendo parte da minha estante, trazendo nela uma pequena marca da minha contribuição, enquanto bibliotecária da Faculdade CDL, a ficha catalográfica, bem ao lado do prefácio do Governador do Estado.



O livro Diálogos Empresariais: memórias e lições de vida de grandes líderes, lançado em evento específico no último dia 19, no auditório da CDL, é uma compilação dos testemunhos sobre as trajetórias empreendedoras de nove empresários convidados por aquelas instituições: Ivens Dias Branco (in memorian, Grupo M. Dias Branco); Tasso Jereissati (JCC); Deusmar Queirós (Grupo Pague Menos); Pio Rodrigues Neto (Grupo C. Rolim); José do Egito Frota Lopes Filho (Jotujé Distribuidora); Liana Thomaz (Água de Coco); Ednilton Soárez (Beach Park); Pedro Lima (3 Corações) e Luciana Dummar (O POVO).

Foto de Ana Luiza Chaves

Foto de Marília Marinho


domingo, 16 de abril de 2017

XII Bienal Internacional do Livro do Ceará

Muito esperada a Bienal aqui no Ceará! Estive lá conferindo e comprando.


Oportunidade para ver tudo e todos juntos, livros, autores, editores, livreiros, promotores de cultura, instituições de classe e a nossa turma de profissão, os bibliotecários.

A chamada, ao tempo que particulariza, generaliza, afinal, cada um é um, mas cada um é também todo mundo.

Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca!



 






 


sábado, 15 de abril de 2017

Renovação, aleluia!!!

Todo dia é dia de melhorar, de renovar...
Se Ele proporcionou tudo isso com tamanho sacrifício,
Por que não fazer a nossa parte?
Será tão difícil?

Há guerra, há fome e doença,
Vamos entrar em ação?
Seja você de qualquer religião ou crença,
O mundo clama pedindo renovação...


domingo, 9 de abril de 2017

Desrespeitando a Lei de Lavoiser

Todos nós conhecemos ou já estudamos a Lei de Conservação das Massas, de Lavoiser, que se refere à conservação da matéria durante uma transformação física ou química, cujo enunciado popular é: "Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma." 

Pai da Química Moderna, tendo separado a Química da Alquimia, dentre outras descobertas e inventos brilhantes, Lavoiser, no auge da Revolução Francesa foi guilhotinado. 

Sem querer ser guilhotinada como fora Lavoiser, atrevo-me a desrespeitar essa Lei aplicando-a à Biblioteconomia, para que se torne mais dinâmica, explorada e articulada.

Nesse novo contexto, eu diria que a leitura dessa lei é a seguinte: 


Na Biblioteconomia tudo se cria, nada se perde, tudo se transforma! 

Do "nada se cria", partiremos para o "tudo se cria", é uma forma de despertar para o empreendedorismo, a partir da inovação. Sabemos que a inovação pode ocorrer referente a produto, processo, método de marketing e/ou método organizacional, portanto, tem muita oportunidade esperando para ser agarrada. 

Todo cuidado é pouco, porque se ficar parado, vem alguém e dá sentido àquilo que você só pensava e especulava, não realizava. O campo é vasto, são muitos os contextos que podemos atuar, é saber fazer a leitura do mundo e partir para o abraço.




domingo, 2 de abril de 2017

Abril abre o ano para a leitura e a escrita!

Abril abre o ano para a leitura e a escrita! É que neste mês temos datas comemorativas expressivas dessa temática e eu adoro, porque faz lembrar a infância, recheada de livros de história. Livros que traziam (e ainda trazem) mensagens de educação e moral, de fazer o bem, de ser honesto, de respeitar o próximo, e tantas outras...

Tomando o clássico infantil A Roupa Nova do Rei, de Hans Christian Andersen (1837), inspirado em história medieval de 1335, vê-se quão atual é o enredo da obra, principalmente em se tratando do contexto Brasil: roubo, desonestidade, enganação, soberba, enriquecimento ilícito, vaidade, bajulação.


  

A leitura dessa obra, assim como de outras bem conhecidas de sua autoria, transcendem ao tempo, vão se perpetuar pela posteridade e continuar dando o seu recado.

O Patinho Feio
O Soldadinho de Chumbo